História

Fruto da vontade de oferecer uma educação baseada na natureza e na simplicidade nasceu, em 2001, o Sol Dourado. Com essa proposta, desenvolvemos um ensino em que a valorização da essência da criança é um dos principais pilares. Respeitamos o ritmo de cada aluno e o tempo para seu despertar em cada área, possibilitando um desenvolvimento harmonioso como ser humano.

Nosso Trabalho

A aceleração e o adiantamento no ensino formal não permitem o amadurecimento das vivências e experiências necessárias. Esse procedimento ao exigir sempre mais novidades, leva ao acúmulo de informações, criando o hábito da superficialidade.

Na Pedagogia Waldorf, não acreditamos na aceleração ou na antecipação educacional como alternativa positiva. A solução está na compreensão fisiológica e psicológica do desenvolvimento da criança. A partir dessa compreensão, criamos um ambiente e situações adequadas a cada fase do desenvolvimento do aluno.

A proposta desenvolvida no Sol considera fundamental a alternância sadia e equilibrada entre concentração e expansão. Assim, se planeja o mais cuidadosamente possível, a prática educativa diária, semanal, mensal e anual, a fim de conseguir o ritmo adequado às fases de compreensão, assimilação e produção da aprendizagem.

Utilizamos objetos e brinquedos, feitos de materiais naturais, duradouros e bonitos. Os objetos com os quais as crianças brincam não devem ter um acabamento pormenorizado, sendo réplicas fiéis dos objetos usados pelos adultos. Eles devem despertar no aluno a fantasia que lhes dará o "acabamento personalizado", de acordo com suas necessidades emocionais e sua imaginação.

Oferecemos, também, objetos que a própria natureza oferece, como pinhas, sementes de vários tamanhos, tocos de madeira, conchas, pedras, raízes e tudo que possa estimulara livre criação.

O Sol Dourado não utiliza recursos eletrônicos, com televisão, vídeo e computador, pois objetiva resgatar e cultivar o brincar livre, saudável e criativo.

Realizamos com frequência encontros, palestras, oficinas, grupos de estudo, para o acompanhamento detalhado de todos os aspectos do desenvolvimento da criança.

Alimentação

Oferecemos alimentos naturais como frutas, legumes, cereais integrais que fazem parte do cardápio baseado na alimentação antroposófica e nas características das estações do ano. As crianças participam da elaboração das refeições, plantando, colhendo e preparando pães, biscoitos e outros.

Estrutura Organizacional

O Sol Dourado Jardim Waldorf encontra-se devidamente legalizado e autorizado pela Secretaria de Educação de Juiz de Fora e demais órgãos de fiscalização para atuar na educação infantil no regime de creche e de escola com alimentação.

Nossa equipe possui formação profissional na área educacional e formação em Pedagogia Waldorf, curso de 04 anos de duração. Proporcionamos constante treinamento e atualização sobre as bases de nosso ensino (Antroposofia e Pedagogia Waldorf).

Recebemos crianças de 1,3 meses a 06 anos. As turmas são formadas com pequeno número de alunos em idades próximas, favorecendo o convívio e respeitando as individualidades.

O primeiro setênio (0 a 7 anos) tem no brincar o seu impulso transformador, o que exige esforço, capacidade de criação e imaginação. Em um ambiente protegido e saudável, as crianças vivenciam contos de fadas, música, cirandas, culinária, cores, desenhos, pinturas, poesia, amarelinha, perna de pau, cordas, teatro e muitas outras atividades, orientadas por educadoras com sólida formação humana e pedagógica.

Pensando em um ser humano íntegro, capaz de se sociabilizar, de criar e de se desenvolver em sua plenitude é que desenvolvemos o nosso trabalho, despertando nas crianças as virtudes, à vontade e o prazer de aprender.

Nossa missão é que cada criança torne-se um adulto saudável, criativo, com alto grau de reconhecimento de si mesmo, com capacidade de relacionamento e desenvolvimento interior, contribuindo para um individuo participativo na sociedade.

ESTRUTURA FÍSICA

Pular corda, pintar com aquarela, brincar com bonecas de pano. Assim vai sendo construído o nosso dia no Sol. Situado em uma casa com cômodos arejados, disponibilizamos um espaço aconchegante, claro e livre do excesso de estímulos visuais. Nossa estrutura foi planejada para oferecer o conforto de um lar. Oferecemos um ambiente harmonioso e acolhedor para o desenvolvimento físico, emocional e intelectual sadio, coerente com o momento de ser de cada criança. Em um ambiente protegido e saudável, as crianças são acompanhadas por educadoras com sólida formação humana e pedagógica que propiciem o desenvolvimento de um ser humano íntegro, capaz de se sociabilizar, de criar e de se desenvolver em sua plenitude.

Maternal

Frequentam o maternal as crianças que idealmente deveriam estar em casa, usufruindo de um ambiente familiar, com a presença marcante da mãe. Cabe ao professor Waldorf assumir esse papel, sem, porém, colocar-se no lugar da mãe ou responsável.

Visando ao desenvolvimento sadio de órgãos internos e sensoriais, deve-se dar grande importância ao ambiente, o qual deve ser artístico e harmonioso nas cores, nas formas do mobiliário, nos brinquedos. Na sala do maternal os brinquedos são maiores, levando em consideração a falta natural da motricidade fina, sendo confeccionados com materiais naturais (madeira, lã, tecidos de algodão, pedras, conchas, etc.).

A proposta pedagógica para o maternal consiste em manter um ritmo de trabalho que é repetido todos os dias, criar hábitos de higiene, trazer vivências das estações do ano em forma de canções, versos, cirandas, além de contar pequenas histórias, que podem ser acompanhadas com bonecos bem simples de teatro ou de dedos. Em tais atividades a participação e o interesse da criança pelo que está sendo realizado é livre, dado ao estágio de desenvolvimento em que ela se encontra.

Na medida de sua capacidades, as crianças maiores podem ajudar o educador preparando o lanche, limpando a mesa etc. A atmosfera tranquila e alegre que reina na sala é irradiada a partir da postura interior do educador.

Na área externa as crianças brincam na areia com baldes, pás, cascas de coco, caixotes grandes, onde se transportam vários materiais.

É importante considerar que a criança até três anos de idade tem um ritmo mais fluido e o brincar dentro e fora da classe não é tão diferenciado como ocorre com as crianças maiores.

O educador procura tratar cada criança individualmente. As atividades rotineiras são realizadas com calma, e o professor inteiramente presente e consciente da sua responsabilidade.

Nos cuidados cotidianos é que a criança tem a possibilidade de perceber o amor e a atenção que lhe são dedicados. Essas atividades não são subestimadas, pois são fundamentais para que a criança se sinta feliz no mundo em que ingressou. São momentos que oferecem uma possibilidade de dedicação exclusiva. Cada instante individual com a criança traz a oportunidade de demonstração do amor e respeito que o educador tem em relação à criança.

Não podemos esquecer que o corpo da criança está sendo plasmado e ela necessita de espaço para se mover em liberdade, correr, pular, montar e desmontar suas brincadeiras. Nesta faixa etária inicial, as crianças ainda não têm a percepção do outro como tal. Assim, o termo sociabilização deve ser usado com muita cautela e o ambiente deve ser capaz de prever e proporcionar certo isolamento físico, quando este se faz necessário para o brincar individual.

A criança precisa se sentir segura. Para isso, brinca com os elementos ao seu redor. O brincar sadio é a principal atividade que o maternal Waldorf oferece, a possibilidade da criança se realizar.

O Jardim

Assim como em uma família onde irmãos de idades diferentes educam-se mutuamente, também as crianças de jardim de infância, em grupos de idades mistas, têm essa mesma oportunidade.

 No Jardim são agrupadas crianças de três a seis anos, uma vez que o ambiente e as atividades desenvolvidas atendem a todas as idades. Além disso, criar um ambiente propício para a formação educacional das crianças faz parte da pedagogia Waldorf no primeiro setênio.

 No primeiro setênio o desenvolvimento está centrado principalmente na organização corpórea, sendo influenciado intensamente pelos estímulos do ambiente no qual a criança vive. A atenção que o educador deve dar à formação dos órgãos sensoriais é indiscutível. São os sentidos que trazem as mensagens do próprio corpo e ajudam a criança a fazer uso dessa corporalidade para ir se adaptando ao mundo. O educador Waldorf dá muita importância à qualidade dos fenômenos e objetos que justamente vão influenciar a formação e o funcionamento dos órgãos dos sentidos.

 No jardim de infância dá-se à estruturação artística da sala o mesmo valor que no maternal. No pátio externo, podem brincar na areia, nos balanços. Podem subir, equilibrar e pular em troncos de vários tamanhos, como se divertirem em escorregas, trepa trepas, indispensáveis ao desenvolvimento do equilíbrio, das reações rápidas de destreza, da motricidade grossa.

 Nas salas existem mesas grandes, para que as crianças se sintam unidas. A vivência do todo, do social, é importante, por exemplo, nas refeições e em determinadas atividades.

 Na cozinha há cestas de vários tamanhos com sementes, conchas, pedras, toquinhos, pinhas, galhos cortados em variados formatos. Tudo isso para que o aluno possa criar diferentes brincadeiras.

 As atividades diárias têm um horário definido, assim como as atividades semanais têm seu dia certo.

SOL DOURADO

JARDIM WALDORF

  • “A nossa mais elevada tarefa deve ser a de formar seres humanos livres que sejam capazes de, por si mesmos, encontrar propósito e direção para suas vidas.” Rudolf Steiner

  • Não há, basicamente, em nenhum nível, uma outra educação que não seja a auto-educação. [...] Toda educação é auto-educação e nós, como professores e educadores, somos, em realidade, apenas o entorno da criança educando-se a si própria. Devemos criar o mais propício ambiente para que a criança eduque-se junto a nós, da maneira como ela precisa educar-se por meio de seu destino interior. Rudolf Steiner

  • Não posso esperar que algo mude lá fora na vida social se eu mesmo não me puser em movimento. Rudolf Steiner