Antroposofia

Antroposofia (palavra derivada do grego anthropós, homem, e Sophia, sabedoria) é um estudo que reúne os pensamentos científico, artístico, espiritual e responde às questões mais profundas do homem moderno, sobre si mesmo e suas relações com o universo.

Elaborada no início deste século pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner (1861-1925), a Antroposofia é um método de conhecimento que aborda o ser humano em seus níveis físico, vital, anímico e espiritual, e mostra como essas naturezas, a princípio, distintas entre si, atuam em constante inter-relação.

Trata-se de uma ciência interessada pelos processos físicos abordados pelas ciências naturais e por todos aqueles processos que não podem ser materialmente mensuráveis. Esta abrangente e organizada compreensão do ser humano e de suas relações com o cosmos trouxe um substancial enriquecimento a todos os campos práticos da sociedade, contribuindo, com suas descobertas, para uma vida humana mais integral.

A Antroposofia chegou ao Brasil, mais especificamente em Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo, com os imigrantes europeus no começo do século XX. Em São Paulo, por exemplo, o movimento cresceu e consolidou-se, passando, então, a permear e a orientar diversas atividades profissionais. A colaboração de cientistas, artistas, médicos, educadores, agricultores, psicólogos e outros profissionais das mais diversas áreas, orientados pelos princípios antroposóficos, tem fortalecido e aumentado a abrangência do movimento, que propõe recriar o conhecimento científico atual com uma visão artística-espiritual mais humanizada.

Pedagogia Waldorf

A Pedagogia Waldorf, criada em 1919, na Alemanha, tem seu embasamento na concepção espiritual do desenvolvimento do ser humano. Nessa visão, o ser humano é apreendido em seu aspecto físico, anímico (psicoemocional) e espiritual, de acordo com as características individuais e relacionadas de acordo com as características específicas de cada fase da vida.

A partir de uma visão antropológica, a Pedagogia Waldorf explica e fundamenta o desenvolvimento dos seres humanos segundo princípios gerais evolutivos separados em etapas de sete anos, denominadas setênios. Cada setênio apresenta momentos claramente diferenciados, perguntas e as necessidades concretas.

No primeiro setênio (0 a 7 anos), a criança emprega todas as suas energias para o desenvolvimento de seu físico. Ela manifesta toda sua volição por meio de intensa atividade corporal. Essa atividade, que desencadeia na formação do físico, metamorfoseia-se em maior ou menor capacidade de atuar com liberdade na vida adulta, no âmbito cultural-intelectual.

Nessa fase, a criança tem uma grande abertura em relação ao mundo. Ela acolhe sem resistência anímica tudo o que lhe advém do ambiente ao redor, entregando-se ao mundo com confiança ilimitada. Vive num estado de ingenuidade paradisíaca, num mundo em que o bem e o mal se confundem indistintamente. Para ela o mundo é BOM.

Esse sentimento traz aconchego, conforto e confiança que tanto a ajudará mais tarde na vida adulta, tornando-a capaz de dar sentido e direção a sua própria vida e levando consigo essas lembranças inesquecíveis em seu coração.

A Pedagogia Waldorf transcende a mera transmissão de conhecimento e se converte em sustentação do desenvolvimento integral do homem, cuidando para que todas as atividades tenham como meta o trabalho de sua vontade e o cultivo de sua sensibilidade e estética.

SOL DOURADO

JARDIM WALDORF

  • Não posso esperar que algo mude lá fora na vida social se eu mesmo não me puser em movimento. Rudolf Steiner

  • Não há, basicamente, em nenhum nível, uma outra educação que não seja a auto-educação. [...] Toda educação é auto-educação e nós, como professores e educadores, somos, em realidade, apenas o entorno da criança educando-se a si própria. Devemos criar o mais propício ambiente para que a criança eduque-se junto a nós, da maneira como ela precisa educar-se por meio de seu destino interior. Rudolf Steiner

  • “A nossa mais elevada tarefa deve ser a de formar seres humanos livres que sejam capazes de, por si mesmos, encontrar propósito e direção para suas vidas.” Rudolf Steiner